Expomoney 2009

fabiano expomoney

O evento de educação financeira e investimentos que acontece em agosto está com as inscrições abertas e traz grandes nomes como: Gustavo Cerbasi, Márcia Tolotti, Rita Mundin, Fabiano Cali, Leandro Ruschel e Ricardo Hissa

São Paulo, 22 de Julho de 2009 – Nos próximos dias 12 e 13 de Agosto, Brasília recebe a 3ª edição Expo Money na Capital Federal. O evento acontece no Centro de Convenções Brasil 21 e traz muitas atrações e ensinamentos para todas as pessoas interessadas em administrar melhor  as finanças pessoais. A programação, totalmente gratuita, conta com mais de 30 palestras que atendem desde os iniciantes, que querem aprender a fazer o planejamento financeiro pessoal até mais os investidores mais arrojados, que buscam mais conhecimento e ferramentas para investir e diversificar.

De acordo com pesquisa realizada pela Expo Money com uma amostragem de pré-inscritos, cerca de 65% do público da edição brasiliense tem entre 26 e 47 anos. Outro dado que chama a atenção é o crescimento do público feminino no evento. Na primeira edição em 2007, 29,6% dos inscritos eram mulheres e esse ano elas já são 32,8% do público esperado. “As mulheres estão cada vez mais interessadas em finanças e mostram maior planejamento de futuro. Elas investem cada vez mais jovens e também pensam mais do que homens em fazer plano de previdência privada”, releva Robert Dannenberg, presidente da Trade Network, empresa organizadora da Expo Money.

Segundo o organizador, a expectativa é repetir o sucesso do último ano, que reuniu mais de 5 mil pessoas. A edição em Brasília já contabiliza mais de 2 mil para esse ano. O público confere mais de 30 palestras em três salas simultâneas. Entre alguns nomes confirmados estão: o escritor consagrado Gustavo Cerbasi – “Escolhas Inteligentes em Tempos de Incertezas”; a psicanalista Márcia Tolotti – “Finanças e Emoções”, a economista Rita Mundin – “Macroeconomia” e o consultor financeiro Fabiano Calil – “Check list financeiro 2009 e meus investimentos”. Já os mais entendidos de Bolsa podem conferir as apresentações do analista técnico Leandro Ruschel “Não existe crise para o trader” e do “Predador” – Ricardo Hissa “Operações no mercado de opções vitoriosas na baixa”.

A programação também conta com os painéis: “Meu Futuro Financeiro” com Gustavo Cerbasi e Fabiano Calil; e “O Investidor: CVM e o mercado de Capitais” com Felix Garcia e Raymundo Magliano Neto. Na exposição os participantes podem conferir novidades e tirar dúvidas com a Bolsa, corretoras de valores, agências de informação e entidades e associações. No espaço de exposição o participante encontra diversas empresas do mercado financeiro como: Petrobras, BM&FBovespa, Net Serviços, Agência Estado, Andima, Ativa, Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Banifinvest, Investbolsa, Investeducar, FGV, Apimec, INI e CVM.

Mais informações e inscrições: http://www.expomoney.com.br

2 ideias sobre “Expomoney 2009

  1. Jaqueline Rodrigues

    Preciso de uma orientação quanto a privedência privada. Tenho um PGBL a 9 anos, e hoje me questiono se deveria manter os aports mensais ou abrrir um VGBL. Na época que iniciei o plano, não existe esta carga tributária pesadíssima sobre o saque do saldo, e nunca me beneficiei na declaração do IRPF porque sempre fiz a ddeclarração simplificada. Portanto, não sei se vale a pena manter os aports ou iniciar um VGBL Minha intenção é de longo prazo como plano de previdência, mas tenho já tive uma situação de emergência pessoal em que precisei fazer uma retirada pequena, e por isso paguei um valor absurdo de impostos. O que você me aconselha?

  2. Fabiano Calil

    Ola Jacqueline,

    o Fabiano Calil me passou a sua dúvida em relação ao seu PGBL.
    Vou tentar ajudá-la.

    Em primeiro lugar é preciso ficar bem claro que o PGBL só deve ser feito por quem declara o IR na versão completa. Como não é esse o seu caso, o PGBL não é um produto indicado a você.
    Isso não quer dizer que o dinheiro que está lá deve ser sacado imediatamente, mas que novos aportes devem ser evitados.
    O VGBL é o produto indicado para quem faz a declaração simples. E se sua idéia é utilizar esse dinheiro daqui a mais de 10 anos, o regime escolhido deve ser o regressivo – o qual reduz as alíquota de imposto conforme os anos vão passando.
    Agora, você também disse que eventualmente vem fazendo saques emergenciais. Para este caso você não acha que seria melhor ter um outro investimento onde o rendimento não fosse prejudicado ou que a tributação não seja maior caso precise fazer resgates?
    Além da previdência, o ideal é sempre termos um investimento com liquidez para emergências, como a poupança, o CDB ou um fundo de renda fixa.

    Espero ter ajudado, qualquer dúvida me avise.

    Atensiosamente,

    Cristiana Dias Baptista
    Equipe Clínica Fabiano Calil

    http://www.fabianocalil.com.br
    cristiana@fabianocalil.com.br

Deixe uma resposta