Finitude inesperada!

07 Faixa 07Vamos ajudar
Hoje recebi uma triste noticia. Meu amigo de colegial Christian Moldan, 36 anos, casado com um filho de 3 anos e a esposa gestante de 5 meses passava as férias em Orlando há 15 dias, quando sentiu-se mal. No hospital descobriu que estava com Leucemia e ontem veio a falecer. Amigo que se destacou com uma bela carreira na TAM exercia o cargo de Diretor e gozava de boa saúde.

A noticia choca por não seguir a ordem natural esperada por nós e nos leva a reflexão. Dolorida reflexão. Como lidar com a perda não planejada? Se sofro a distância não consigo imaginar a dor de quem estava mais perto.

Hoje nos intervalos do programa, contava a Andrea  e ao Marcelo meus planos de final de ano com minha esposa e meu filho de 5 anos em Orlando. Talvez a similaridade, mesma escola, amigos em comum, ambos casados, filho pequeno e planos de gravidez para o ano que vem, mesma idade, mesmo destino de férias…vem o medo.

E agora fico aqui pensando neste texto egoista onde compartilho neste blog minhas angustias, talvez com a intenção de diluir minha dor, meus medos, os fantasmas que assombram meus planos.

Dedicarei amanhã a Clinica a ele, apesar de não saber o que dizer, talvez devesse simplesmente fazer um minuto de silêncio, mas está tão difícil ficar em silêncio com a indignação que sinto agora. Como conviver com a finitude inesperada?

Obrigado Christian pelo exemplo de vida alegre e dedicada. Fico aqui com saudades dos abraços e telefonemas não dados e me cobrando dos eventos em que não compareci.

Sigo refletindo, chocado e pensando.

Seu amigo,

Fabiano

9 ideias sobre “Finitude inesperada!

  1. Phillip Souza

    Primeiramente, meus pêsames… infelizmente, temos de encarar que somos seres muito frágeis, apesar de – às vezes – nos sentirmos como “super-homens” ou “mulheres-maravilhas”. Acredito que só a reflexão e a aceitação farão com que esse momento doloroso, triste, amargurado passe…

    Apesar do contexto que ocorreu o fato, tente pensar como uma mudança. Assim como envelhecemos aos poucos, mudando de forma da adolescência para a fase adulta e consecutivamente até à velhice, a morte representa uma passagem brusca; infelizmente, faz parte de nossa evolução espiritual conviver com esses acontecimentos.

    Apesar da dor e tristeza, de um modo ou de outro, tudo ficará bem…

    Abraço.

    Meus sentimentos à você, Fabiano Calil, e à família do Christian Moldan.

    Phillip Souza (Belo Horizonte-MG)

  2. Fernanda

    Fabiano,

    O Chris também era um grande amigo nosso!Já dividimos momentos de muita alegria e é essa imagem que guardo na memória, um sorriso puro e contagiante. A vida nos prega algumas peças inesperadas e doloridas, mas acredito que ele se foi por possuir uma luz muito grande e um coração absurdamente doador e solidário. Um ser superior!

    Essa dor que estamos sentindo se transformará em uma saudade e continuaremos a enxergar o Chris através da sua extensão, que são os seus filhos.

    Que ele descanse em paz!

    Um grande abraço,

  3. Pedro de Miranda Costa

    Olá Fabiano, sou cunhado do Christian, irmão da Luísa.
    Peço licença neste seu espaço, para externar algumas reflexões que faço deste episódio, tentando tirar lições.
    A primeira, o Philip já vez. Somos frágeis, somos mortais. É uma verdade que já conhecemos, mas que é gritada em nossos ouvidos em momentos como este.
    A segunda, que modestamente faço, faço muito mais olhando para os meus próprios hábitos ( e para os hábitos que observo em muitas pessoas) que para os do Christian. Talvez, ao fazer isto eu caia em situações “clichê”, mas, na dúvida, vou correr o risco, até porque correr mais riscos é uma das lições que tiro:
    Não dá para ficar “postergando”, sempre!
    Não dá para – na fábula do La Fontaine – ficar sendo só “formiga” e nunca “cigarra”. Ficar preocupado e ocupado em garantir o estoque para o inverno, e esquecer-se de curtir o verão.
    NÃO SE TRATA, em absoluto, de ser “porra loca”, e viver “cada dia como se fosse o ultimo”, não é isto, até porque fazer planos e ser previdente fazem parte de viver, mas é tratar o lazer e os momentos de prazer, com o mesmo respeito com que se trata o trabalho, as “obrigações”.
    E “às vezes”, colocar o prazer na frente. Deixar a cama desarrumada para melhor aproveitar o sábado de sol, gastar “mais do que deveria”, tomando um bom vinho, naquele restaurante caro, fazer aquela viagem, chegar 15 min atrasado no trabalho, para não ter que fazer seu filho entender que você “precisar ir”.
    E acho importante dizer que não é porque “não se sabe o dia de amanhã” não!
    Episódios como este do Christian, felizmente, graças a Deus, são raros! A maioria de nós (entre preocupados, despreocupados, cuidadosos e descuidados) viverá muitos anos!
    O ponto é que muitos dos adiamentos, embora coloquemo-os como tal, não são exatamente adiamentos, mas sim perdas (ou “pequenas mortes”), porque o tempo passa, o momento passa…
    Mas enfim, são “reflexões compartilhadas” minhas.
    Num blog que trata de planejamento financeiro, pode até parecer que isto contraste com o que é pregado. Realmente não creio nisso, senão não externaria estas reflexões aqui, mas acho que é algo que, junto com todas as outras coisas, deve ser pensado.
    Enfim, tomando emprestados (talvez imprecisamente) alguns termos das finanças, a vida, com seu “portfólio de coisas intangíveis”, tem que ser “realizável no curto prazo”.
    Obrigado por suscitar estas reflexões.
    Abraços!
    Pedro Costa

  4. Claudia Grandini Hunnicutt

    Com grande tristeza recebi essa noticia que deixou não só eu mas como todos da familia chocados.
    Podem ter certeza de que foi uma grande perda para nós…. e faço das palavras do Pedro ai em cima as minhas também…
    A vida é muito estranha, por isso temos que aproveitá-la ao máximo….
    Somos realmente frágeis…

    Que o tempo amenize a dor de quem está sofrendo por esta rasteira que a vida nos pregou… e principalmente ilumine a Luisa para que com sabedoria e serenidade enfrente a falta do tão amado Chris.

    Abraços

  5. João Pedro Velloso

    Também fui colega do Christian no colegial e ouço com orgulho o Fabiano no rádio pela manhã (recomendo a todos pela capacidade de falar de finanças de uma forma tão humana).

    Tenho uma filha de 5 meses e a “proximidade” da história por conhecer o Christian me fez pensar em muitas coisas, além da tristeza e do sentimento de que a vida muitas vezes não parece justa.

    Sou extremamente planejado, minha filha já tem plano de previdência e não acredito em sorte desacompanhada de esforço e dedicação. Lendo o comentário do Pedro, me identifico com o que quero para minha filha, quero que ela possa escolher o que deseja fazer com a vida dela, que ela tenha fôlego financeiro para respirar, pensar, planejar, decidir e implementar. Fôlego que particularmente eu não tive, e tive que abrir mão de muitos sonhos pessoais em troca de outros também importantes sonhos profissionais.

    O mais importante para mim, é ter a noção clara que o trabalho, o planejamento financeiro, o aprendizado, têm ao menos para mim, um foco apenas: minha vida pessoal. Crescer para viver, economizar para aproveitar, mas nunca na ordem inversa.

    De quaquer forma, fica aqui um comentário particular para o Pedro e família: tenho certeza que para os que conheceram o Christian (ao menos no colegial), a imagem que fica é a de alguém que não conhecia a palavra “postergar”.

    Um abraço,
    João Pedro Velloso

  6. Marcos Jardim

    A Biblia diz:
    Tg 4.13.14:
    13.Eia agora vós, que dizeis: Hoje, ou amanhã, iremos a tal cidade, e lá passaremos um ano, e contraremos, e ganheremos;
    14. Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece.

    Fabiano realmente a perda é difícil, e se súbita, maior a violência que a separação provoca. A você, a família, aos amigos desejo que o Espirito Santo de Deus os console, cuide da dor até que seja superada ou amenizada.

    Aos viventes fica a lição da Palavra…a vida é um vapor.

    A Paz

  7. Eurídice S. Araújo

    Buscando por Míriam Hunnicutt acabei entrando no seu blog.
    Gostaria de saber se o Christian é o filho da Míriam. Busco notícias dela e disponibilizo o meu email a quem possa me informar.
    Lamento e partilho da tristeza de uma perda tão prematura.
    Eurídice.

Deixe uma resposta