Arquivos da categoria: A palavra do Fabiano

Pai Rico, Pai pobre

FABIANO CALIL/ CFP

Na Expomoney SP o autor do best seller Pai Rico Pai Pobre Robert Kiosaki esteve aqui palestrando e nos dando suas impressões junto a sua esposa Kim sobre seus livros e suas perspectivas sobre investimentos.

Alguns canais de midia me entrevistaram com a seguinte pergunta “Você concorda com o que ele diz no livro?” é sobre isso que escrevo aqui.

O que ele diz:

Minhas ponderações

Nesta foto eu e meu amigo Gustavo Cerbasi com o autor Robert Kiosaki

Dia do consumidor

Prazer e Culpa

Prazer e Culpa

Neste dia fico pensando, que consumidores nos somos? Conscientes? Ou reféns ainda da falta de educação financeira, onde aderimos a “esta parcela cabe no meu bolso” ao invés de fazermos as contas de quanto nos custará no final?

Convido aos leitores a exigirem o seus direitos, nada além do justo, mas no mínimo que a justiça seja feita. Não silencie, reclame. Com a voz de muitos, teremos tanta força quanto os que chamamos de “grandes”.

Faça a sua parte, informe-se e se entender que deve buscar seus direitos, acesse os sites do Procon (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor) e do IDEC (Instituto de Defesa do Consumidor).

www.procon.sp.gov.br

www.idec.org.br

Um abraço,

Fabiano

Brasil só começa depois do carnaval?

Pois estou aqui pensando neste lema ou dilema do nosso Brasil, esta frase que levamos tão a sério em alguns momentos me preocupa no atual cenário em que nos encontramos. Haverão muitos eventos até 2016 aqui no país do carnaval que vem atraindo dinheiro de estrangeiros desde que obtivemos o grau de investimento. Além disso somos considerados um país em franca exposição dentro dos países em crescimento BRIC (Brasil, India, Russia e China). Fomos capa da consagrada revista The Economist, onde o cristo redentor decolava, é muita responsabilidade para pensarmos em começar o ano somente dia 18/02 ou quem sabe 22/02, também, quem vai trabalhar quinta e sexta?

Mas resolvi ficar em São Paulo no Carnaval, ao invés das estradas iria aproveitar a atípica calmaria paulistana. Para a minha surpresa vi muitas pessoas, lojas, empresas, shoppings trabalhando. É verdade que poucos e-mails chegaram, mas minha maior surpresa foi no domingo, quando resolvi passar o dia num parque de diversões. Minha falta de planejamento chamou a atenção, poderia ter ido na segunda que não era feriado, talvez não estivesse tão cheio, apesar de que o calor seria o mesmo.

Uma fila gigantesca de aproximadamente 40 minutos para conseguir comprar os ingressos que não contemplavam descontos nem para crianças, nem para estudantes, exceto se comprasse um passe mais barato que permitia entrar no parque mas não frequentar os brinquedos…estranho. Mas depois de pagar R$ 64 para cada um e R$ 15 de estacionamento entramos. Após dois brinquedos e mais de uma hora de fila debaixo do sol, fui comprar uma água, R$ 4. A do bebedouro, disputada por outra fila muito grande estava morna.

Depois de mais 1 hora e meia numa fila de um brinquedo aquático (o único possível com aquele sol), fomos comer. Depois de 20minutos em pé na fila ouço a mulher do caixa gritar,”o caixa está fechado”, eu pensei, mas é o único caixa aqui. Todos nós indignados na fila perguntamos a razão e ela explicou que reabriria quando terminasse de servir o que já fora vendido. Pensei num primeiro momento que era justo. Depois de cozinharmos mais 30 mins debaixo do sol ela volta e diz, “o caixa está fechado, não vamos abrir”.

Foi então que comecei a refletir com uma senhora espanhola que me seguia na fila, eu estou há uma hora para comprar um cachorro quente para meu filho, disposto a pagar R$ 12 por um pão com salsicha, aliás, a ÚNICA coisa que vendiam lá. Haviam 05 funcionários para fazer os tais sanduíches e menos de 15 pessoas na fila. Mas era domingo, dia de faturar não?

No mesmo momento me lembrei de um evento que realizamos no final de novembro do ano passado no Rio de Janeiro, a organização do evento firmou um contrato com uma empresa de rádio táxi que atendia aos visitantes, expositores e palestrantes na porta. Ocorre que ao final do primeiro dia do evento choveu e os táxis sumiram. As respostas das centrais de rádio taxi eram “sinto muito está chovendo não posso fazer nada”. Vale dizer que não eram destas chuvas calamitosas. Depois deste fato peguei 04 taxis de empresas diferentes no Rio e fiz a mesma pergunta a eles: “vocês acham que o Rio de Janeiro está preparado para receber os eventos que virão?” A resposta unanime foi NÃO.

Estes dois eventos e o tema deste artigo me levam a uma reflexão que gostaria de dividir com vocês, num lugar eu era um turista na grande cidade de São Paulo, rica, com os melhores índices de educação e escolaridade e estava porque não dizer num dos nossos maiores parques de diversão do nosso país, não fomos bem atendidos  de modo geral e não recomendaria a ninguém ir até lá. No segundo evento, era uma feira para duas mil pessoas, imagino que receberemos mais do que dois mil atletas, imagine quantos visitantes a cidade maravilhosa receberá?

Espero que estejamos refletindo até o carnaval sobre as importantes mudanças que precisamos fazer se quisermos aproveitar um pouco ao menos desta grande onda de prosperidade que vem em nossa direção, a nossa vantagem é que temos tempo, vamos ver.

Agora é hora de trabalhar!

Louis Frankenberg

Louis Frankenberg foi o precursor do Planejamento Financeiro no Brasil, há mais de 40 anos no mercado financeiro, foi dos primeiros Planejadores Financeiros Pessoais independentes no Brasil. Foi o idealizador e fundador do Instituto Brasileiro de Certificação dos Planejadores Financeiros Pessoais, alterado depois para Profissionais Financeiros www.ibcpf.org.br . Em setembro de 2009 ele abriu o primeiro seminário de Planejamento Financeiro Pessoal, e me marcaram alguns pontos de sua fala.
Ele abordou os valores familiares, o relacionamento entre o Planejado e as famílias e nos levou a reflexão sobre nosso papel de conselheiros, com toda a responsabilidade que este papel nos exige.
Nossos clientes chegam a nós prioritariamente por indicação

Ex-Cliente?

Para nós Planejadores Financeiros, ex-clientes são uma exceção, usualmente temos clientes antigos, clientes que fizeram uma consulta pontual ou que encerraram os trabalhos há alguns anos. É muito interessante e gratificante quando um cliente retorna anos depois para uma consulta. Nos mostra que continuamos sendo uma pessoa de referencia e confiança para os assuntos que envolvem as finanças pessoais. Por isso a importância de nós Planejadores mantermos nossos contatos sempre atualizados e avisar todos os clientes que algum dia buscaram nossos conselhos.

Um abraço,

Fabiano

Novembro, o melhor mês para começar o ano novo diferente!

O mês de novembro é sempre um marco importante nas finanças pessoais. Há entrada da primeira parcela do 13o salário e para alguns a época dos bônus. Esta entrada no entanto cega as saídas usuais que virão até fevereiro do ano seguinte.
Com dinheiro extra nas mãos nosso desejo é o de ter prazer, celebrar, comemorar e muitos destes consumindo. Mas deixe eu fazer o papel do Planejador Financeiro Pessoal e lembra-los das despesas que nós teremos até fevereiro.

Se você tem algum funcionário, pagará 13o salário. Dependendo da sua familia, trocarão presentes de natal, além das comemorações e amigos secretos de final de ano. É a época das caixinhas de Natal, da viagem de férias com os filhos e até aqui…muito dinheiro no bolso. Curiosamente, as compras são parceladas. Ora, se há dinheiro no bolso, porque não pagar a vista com o que tem?

Este é um dos sintomas, ficamos com o dinheiro no bolso e vamos gastando a prazo no cartão de crédito e no cheque pré-datado, depende de qual for a melhor opção (usualmente a mais longa). Até aqui vai, ocorre que o dinheiro que sobrava no bolso, será consumido durante as férias e antes da volta a conta corrente estará no azul mas próxima do zero.

Neste momento você estará como agora, sem dinheiro sobrando, mas com uma expectativa diferente, ao invés de receber dinheiro do 13o salário, você terá que se haver com o IPVA dos carros, as faturas de cartão de crédito, com os cheques pré-datados (que usualmente vão até abril, para quem se contentou em comprar em no máximo 05 parcelas SEM JUROS).

Aí vem a escola e lembra da segunda parcela da matricula, dos materiais escolares e dos uniformes. Vencido este janeiro, chega fevereiro com IPTU, mais uma fatura de cartão de crédito (2a de 5 parcelas), a segunda parcela do IPVA (se não quitou com desconto em janeiro). Então a família pede uma viagem no carnaval e você provedor ou provedora avisa que não, que a situação está difícil.

Como estamos em novembro eu pergunto, o que você pode fazer hoje para ter um carnaval diferente?

Vamos refletir e tomarmos uma atitude para mudar, vale o esforço, acreditem!

Um abraço,

Fabiano

Clínica do Fabiano – Dia do professor – 15/10/2009

banners_siteDia 15 de outubro, dia do professor. Neste programa, homenageei os professores com uma aula ao vivo a todos os ouvintes que se interessaram pela carreira de planejador financeiro. Com o formato de uma “primeira aula” para o futuro Planejador Financeiro Pessoal. Falei sobre a experiência que é atender na clínica financeira, como é prazeroso possibilitar simplificar a vida e tornar mais feliz as pessoas pelo planejamento financeiro e também sobre o perfil dessa profissão e profissionais. Continue lendo